Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

O movimento Free the Nipple está a ganhar algum protagonismo no mundo ocidental. Trata-se de um grupo de pessoas, mulheres na sua maioria, que defendem que os seios femininos e masculinos devem ter o mesmo direito de exibição pública. Mais concretamente, lutam pelo direito das mulheres a mostrar os seus mamilos, tal como os homens já fazem em muitos contextos, sem que isso seja social ou legalmente punido.

Porque é que as nossas sociedades toleram melhor os mamilos de um homem do que o seu equivalente feminino? Porque é que um homem, na praia, pode passear-se livremente de peito ao léu sem, por isso, despertar qualquer interesse e uma mulher o faz num clima grandemente envolto de tensão e censura? Mesmo entre as mulheres que se renderam ao top less, vemos que muitas o fazem timidamente deitadas na toalha, como se sentissem que estão a fazer algo errado. Aliás, quando se levantam da toalha cobrem rapidamente os seios, por não se sentir completamente à vontade para os mostrar, em vez de os exibir sem receio do olhar de reprovação ou do olhar descaradamente guloso.

Há países inclusivamente em que a exibição pública dos seios e mamilos femininos é considerada atentado ao pudor, acto punível por lei, enquanto os homens o podem fazer livremente. Um desses países é o Brasil e eu descobri-o da pior maneira. Nas belíssimas praias do Brasil as mulheres estão proibidas de fazer top less. A histeria à volta das mamas e dos mamilos é tão grande que, mesmo em contexto de amamentação, muitas mães são repreendidas ao fazê-lo publicamente. A censura é de tal ordem que alguns estados brasileiros se viram obrigados a multar quem proibisse as mulheres de amamentar publicamente.

A histeria em muito advém da conotação sexual associada a esse órgão mamário e, como acontece em muitos casos, quem paga a factura são as mulheres. O facto de uma mulher mostrar os seios num local público, seja numa zona balnear, seja num banco do jardim enquanto amamenta o seu filho, não pode ser lido como um convite sexual, ou uma agressão à moral e bons costumes. Não quero com esta crónica instigar as mulheres a fazê-lo, apenas defendo que elas o possam fazer se assim o entenderem.

As fronteiras que separam aquilo que é ou não aceitável numa sociedade em termos da sexualidade, corpo e intimidade são muito difíceis de traçar. Trata-se de assuntos que no entender de muitos são exclusivamente do foro privado, mas outros defendem que devem ser regrados e enquadrados do ponto de vista legal. Quanto a isto, se todos, em conjunto, enquanto sociedade, decidirmos que é para tapar os mamilos, pois bem, deem fatos de banho ou biquínis aos homens também! 

 

*Publicado em Público


Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Fevereiro 2016

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
2829